google-site-verification: googlec79a8dde6d277991.html

Atenção:

- Lei extraída do site www.planalto.gov.br. Pode conter anotações pessoais, jurisprudência de tribunais, negritos e realces de texto para fins didáticos.

- Última revisão do texto legal em 08/04/2020.

- Para pesquisar palavras-chave na página clique as teclas: "Ctrl + F" (Windows) ou "Command + F" (Mac).

LEI N.º 8.427, DE 27 DE MAIO DE 1992

 

Dispõe sobre a concessão de subvenção econômica nas operações de crédito rural.

 

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

 

Art. 1.º Fica o Poder Executivo autorizado a conceder, observado o disposto nesta Lei, subvenções econômicas a produtores rurais e suas cooperativas, sob a forma de:  (Redação dada pela Lei n.º 12.058, de 2009)

I - equalização de preços de produtos agropecuários ou de origem extrativa;  (Redação da pela Lei n.º 13.881, de 2019)

II - equalização de taxas de juros e outros encargos financeiros de operações de crédito rural.  (Incluído pela Lei n.º 9.848, de 26.10.1999)

§ 1.º Consideram-se, igualmente, subvenção de encargos financeiros os bônus de adimplência e os rebates nos saldos devedores de financiamentos rurais concedidos, direta ou indiretamente, por instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural. (Redação da pela Lei n.º 13.986, de 2020)

§ 2.º  O pagamento das subvenções de que trata esta Lei fica condicionado à apresentação pelo solicitante de declaração de responsabilidade pela exatidão das informações relativas à aplicação dos recursos, com vistas no atendimento do disposto no inciso II do § 1.º do art. 63 da Lei n.º 4.320, de 17 de março de 1964.  (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

§ 3.º  Os produtos extrativos de origem animal previstos no inciso I do caput deste artigo deverão ser provenientes de manejo sustentável, previamente autorizado pelo órgão ambiental competente.   (Incluído pela Lei n.º 13.881, de 2019)

 

Redação anterior:

"Art. 1.° É o Poder Executivo autorizado a conceder subvenções econômicas nas operações de crédito rural, sob a forma de equalização de preços e de taxas de juros, observado o disposto nesta lei."

"Art. 1.º  É o Poder Executivo autorizado a conceder, observado o disposto nesta Lei, subvenções econômicas a produtores rurais, sob a forma de:        (Redação dada pela Lei n.º 9.848, de 26.10.1999)"

"I - equalização de preços de produtos agropecuários ou vegetais de origem extrativa;    (Incluído pela Lei n.º 9.848, de 26.10.1999)"

"Parágrafo único.  Considera-se, igualmente, subvenção de encargos financeiros os rebates nos saldos devedores de empréstimos rurais concedidos, direta ou indiretamente, por bancos oficiais federais e bancos cooperativos.   (Incluído pela Lei nº 9.848, de 26.10.1999)"

"Parágrafo único.  Consideram-se, igualmente, subvenção de encargos financeiros os bônus de adimplência e os rebates nos saldos devedores de financiamentos rurais concedidos, direta ou indiretamente, por bancos oficiais federais e bancos cooperativos.  (Redação dada pela Lei n.º 11.524, de 2007)"

"§ 1.º  Consideram-se, igualmente, subvenção de encargos financeiros os bônus de adimplência e os rebates nos saldos devedores de financiamentos rurais concedidos, direta ou indiretamente, por bancos oficiais federais e bancos cooperativos.    (Renumerado do parágrafo único pela Medida Provisória n.º 432, de 2008)."

"§ 1.º  Consideram-se, igualmente, subvenção de encargos financeiros os bônus de adimplência e os rebates nos saldos devedores de financiamentos rurais concedidos, direta ou indiretamente, por bancos oficiais federais e bancos cooperativos.      (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)"

"§ 1.º Consideram-se, igualmente, subvenção de encargos financeiros os bônus de adimplência e os rebates nos saldos devedores de financiamentos rurais concedidos, direta ou indiretamente, por instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural.  (Redação dada pela Medida Provisória n.º 897, de 2019)."

"§ 2.º  O pagamento das subvenções de que trata esta Lei está condicionado à apresentação, pelo solicitante, de declaração de responsabilidade pela exatidão das informações relativas à aplicação dos recursos, com vistas ao atendimento do disposto no art. 63, § 1.º, inciso II, da Lei no 4.320, de 17 de março de 1964.    (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008)."

Art. 1.º-A. Para fins do disposto nesta Lei, o Banco Central do Brasil disponibilizará à Secretaria do Tesouro Nacional da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia informações sobre operações de crédito rural existentes nos seus bancos de dados, na forma estabelecida em ato conjunto do Banco Central do Brasil e da Secretaria do Tesouro Nacional. (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020)

Redação anterior:

"Art. 1.º-A  Para fins do disposto nesta Lei, o Banco Central do Brasil disponibilizará à Secretaria do Tesouro Nacional da Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia informações sobre operações de crédito rural existentes nos seus bancos de dados, na forma estabelecida em ato conjunto do Banco Central do Brasil e da Secretaria do Tesouro Nacional.  (Incluído pela Medida Provisória n.º 897, de 2019)."


Art. 2.º  A equalização de preços consistirá em subvenção, independentemente de vinculação a contratos de crédito rural, nas operações amparadas pela política de garantia de preços mínimos, de que trata o Decreto-Lei n.º 79, de 19 de dezembro de 1966, equivalente:   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

I - nas operações efetuadas com produtos agropecuários integrantes dos estoques públicos:   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

a) à parcela do custo de aquisição do produto que exceder o valor obtido na sua venda, observada a legislação aplicável à formação e alienação de estoques públicos;    (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

b) à cobertura das despesas vinculadas aos produtos em estoque;   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

II - à concessão de prêmio ou bonificação, apurado em leilão ou em outra modalidade de licitação, para promover o escoamento do produto pelo setor privado;   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

III - no máximo, à diferença entre o preço de exercício em contratos de opções de venda de produtos agropecuários lançados pelo Poder Executivo ou pelo setor privado e o valor de mercado desses produtos, apurado em leilão ou em outra modalidade de licitação;    (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

IV - no máximo, à diferença entre o preço mínimo e o valor de venda de produtos extrativos produzidos por agricultores familiares enquadrados nos termos do art. 3.º da Lei n.º 11.326, de 24 de julho de 2006, ou por suas cooperativas e associações, incluídos os beneficiários descritos no § 2.º do referido artigo, limitada às dotações orçamentárias e aos critérios definidos em regulamento; ou   (Redação da pela Lei n.º 13.881, de 2019)

V - ao percentual do prêmio pago na aquisição de opção de venda, isolada ou combinada ao lançamento de opção de compra, pelo setor privado.   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

VI - à concessão, em moeda nacional, de bonificação equivalente a um percentual do valor do prêmio pago na aquisição de contratos de opção privada de venda negociados em bolsas de mercadorias e futuros, nacionais ou internacionais. (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 1.º A concessão da subvenção a que se referem os incisos II, III, IV, V e VI do caput deste artigo exonera o Governo Federal da obrigação de adquirir o produto, que deverá ser comercializado pelo setor privado.  (Redação da pela Lei n.º 13.986, de 2020)

§ 2.º  Visando a atender aos agricultores familiares definidos no art. 3.º da Lei n.º 11.326, de 24 de julho de 2006, de forma a contemplar suas diferenciações regionais, sociais e produtivas, fica também autorizada a realização das operações previstas nos incisos II e III do caput deste artigo, em caráter suplementar, destinadas especificamente ao escoamento de produtos desses agricultores, bem como de suas cooperativas e associações.   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

 

Redação anterior:

"Art. 2.° A equalização de preços consistirá em subvenção equivalente à parcela do saldo devedor de financiamento que exceder o valor de mercado do produto financiado, nas operações amparadas pela política de garantia de preços mínimos, de que trata o Decreto-Lei n° 79, de 19 de dezembro de 1966, através de leilões em bolsas de mercadorias.

Parágrafo único. A concessão da subvenção a que se refere este artigo exonera o Governo Federal da obrigação de adquirir o produto, que deverá ser comercializado pelo setor privado.

§ 1.º  Considera-se, igualmente, subvenção de equalização de preços, ao amparo desta Lei, independentemente de vinculação a operações de crédito rural:   (Incluído pela Lei nº 9.848, de 26.10.1999)

I - a concessão de prêmio ou bonificação, apurado em leilão ou em outra modalidade de licitação, para promover o escoamento do produto pelo setor privado;   (Incluído pela Lei nº 9.848, de 26.10.1999)

II - a diferença entre o preço de exercício em contratos de opções de venda de produtos agropecuários lançados pelo Poder Executivo e o valor de mercado desses produtos.  (Incluído pela Lei nº 9.848, de 26.10.1999)

II – no máximo, a diferença entre o preço de exercício em contratos de opções de venda de produtos agropecuários lançados pelo Poder Executivo ou pelo setor privado e o valor de mercado desses produtos.    (Redação dada pela Lei nº 11.076, de 2004)

"§ 1.º  A concessão da subvenção a que se referem os incisos II a V do caput deste artigo exonera o Governo Federal da obrigação de adquirir o produto, que deverá ser comercializado pelo setor privado.    (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)"

§ 2.º  A concessão da subvenção a que se refere este artigo exonera o Governo Federal da obrigação de adquirir o produto, que deverá ser comercializado pelo setor privado.   (Incluído pela Lei nº 9.848, de 26.10.1999)

§ 3.º A subvenção a que se refere este artigo será concedida mediante a observância das condições, critérios, limites e normas estabelecidas no âmbito do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de acordo com as disponibilidades orçamentárias e financeiras existentes para a finalidade.    (Incluído pela Lei nº 11.076, de 2004)              (Revogado pela Medida Provisória nº 432, de 2008).     (Revogado pela Lei nº 11.775, de 2008)"

"Art. 2.º  A equalização de preços consistirá em subvenção, independentemente de vinculação a contratos de crédito rural, nas operações amparadas pela política de garantia de preços mínimos, de que trata o Decreto-Lei no 79, de 19 de dezembro de 1966, equivalente:   (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

I - nas operações efetuadas com produtos agropecuários integrantes dos estoques públicos:   (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

a) à parcela do custo de aquisição do produto que exceder o valor obtido na respectiva venda, observada a legislação aplicável à formação e alienação de estoques públicos;    (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

b) à cobertura das despesas vinculadas aos produtos em estoque;   (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

II - à concessão de prêmio ou bonificação, apurado em leilão ou em outra modalidade de licitação, para promover o escoamento do produto pelo setor privado;     (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

III - no máximo, à diferença entre o preço de exercício em contratos de opções de venda de produtos agropecuários lançados pelo Poder Executivo ou pelo setor privado e o valor de mercado desses produtos, apurado em leilão ou em outra modalidade de licitação; (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

IV - no máximo, à diferença entre o preço mínimo e o valor de venda de produtos extrativos produzidos por agricultores familiares enquadrados nos termos do art. 3º da Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006, ou por suas cooperativas e associações, limitada às dotações orçamentárias e aos critérios definidos em regulamento; ou       (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

V - ao percentual, definido pelo Ministro de Estado da Fazenda, do prêmio pago na aquisição de opção de venda, isolada ou combinada ao lançamento de opção de compra, pelo setor privado.     (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

§ 1.º  A concessão da subvenção a que se referem os incisos II a V deste artigo exoneram o Governo Federal da obrigação de adquirir o produto, que deverá ser comercializado pelo setor privado.    (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

§ 2.º  Visando a atender aos agricultores familiares definidos no art. 3º da Lei nº 11.326, de 2006, de forma a contemplar suas diferenciações regionais, sociais e produtivas, fica também autorizada a realização das operações previstas nos incisos II e III deste artigo, em caráter suplementar, destinadas especificamente ao escoamento de produtos desses agricultores, bem como de suas cooperativas e associações.      (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008)."

"IV - no máximo, à diferença entre o preço mínimo e o valor de venda de produtos extrativos produzidos por agricultores familiares enquadrados nos termos do art. 3.º da Lei n.º 11.326, de 24 de julho de 2006, ou por suas cooperativas e associações, limitada às dotações orçamentárias e aos critérios definidos em regulamento; ou     (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)"


Art. 3.º  A concessão de subvenção econômica, sob a forma de equalização de preços, obedecerá aos limites, às condições, aos critérios e à forma estabelecidos, em conjunto, pelos Ministérios da Fazenda, do Planejamento, Orçamento e Gestão, e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de acordo com as disponibilidades orçamentárias e financeiras existentes para a finalidade, com a participação:  (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

I - do Ministério do Desenvolvimento Agrário, quando se tratar das operações previstas no § 2.º do art. 2.º desta Lei; e   (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

II - do Ministério do Meio Ambiente, quando se tratar das operações previstas no inciso IV do caput e de produtos extrativos incluídos no § 2.º, ambos do art. 2.º desta Lei.  (Redação dada pela Lei n.º 11.775, de 2008)

 

Redação anterior:

"Art. 3° Os Ministros de Estado da Agricultura e Reforma Agrária e da Economia, Fazenda e Planejamento proporão ao Presidente da República, em cada exercício financeiro, as necessárias providências de natureza orçamentária e, ouvido o Conselho Nacional de Política Agrícola, na forma da Lei n° 8.171, de 17 de janeiro de 1991, as providências de natureza operacional, para concessão da subvenção de equalização de preços, inclusive no que diz respeito à forma de apuração do valor de mercado do produto."

"Art. 3.º  A concessão de subvenção econômica, sob a forma de equalização de preços e de rebates nos saldos devedores de empréstimos rurais, obedecerá aos limites, às condições, aos critérios e à forma estabelecidos, em conjunto, pelos Ministérios da Fazenda, do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Agricultura e do Abastecimento.     (Redação dada pela Lei n.º 9.848, de 1999)."

"Art. 3.º  A concessão de subvenção econômica, sob a forma de equalização de preços, obedecerá aos limites, às condições, aos critérios e à forma estabelecidos, em conjunto, pelos Ministérios da Fazenda, do Planejamento, Orçamento e Gestão, e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, de acordo com as disponibilidades orçamentárias e financeiras existentes para a finalidade, com a participação:     (Redação dada pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

I - do Ministério do Desenvolvimento Agrário, quando se tratar das operações previstas no § 2.º do art. 2.º desta Lei; e   (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008).

II - do Ministério do Meio Ambiente, quando se tratar das operações previstas no inciso IV e de produtos extrativos incluídos no § 2.º, ambos do art. 2.º desta Lei.    (Incluído pela Medida Provisória nº 432, de 2008)."

Art. 3.º-A.  O Conselho Monetário Nacional definirá os limites e a metodologia para o cálculo do preço de exercício para o lançamento de Contratos de Opção Pública e Privada de Venda, nos produtos amparados pela Política de Garantia de Preços Mínimos – PGPM, tendo por base o preço mínimo do produto, as estimativas de custos para o carregamento dos estoques, inclusive os custos financeiros, e do frete entre as regiões produtoras atendidas e os locais designados para a entrega do produto, podendo, ainda, incluir uma margem adicional sobre o preço mínimo estipulado em função das expectativas de mercado e da necessidade de estímulo à comercialização.   (Incluído pela Lei n.º 11.922, de 2009)

Parágrafo único.  O preço de exercício para cada produto será definido em conjunto pelos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Fazenda.   (Incluído pela Lei n.º 11.922, de 2009)

 

Art. 3.º-B. O Conselho Monetário Nacional definirá os parâmetros e a metodologia de cálculo da subvenção ao prêmio pago na aquisição de contratos de opção privada de venda negociados em bolsas de mercadorias e futuros, de que trata o inciso VI do caput do art. 2.º desta Lei.  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

 

Art. 4.º A subvenção, sob a forma de equalização de taxas de juros, ficará limitada ao diferencial de taxas entre o custo de captação de recursos, acrescido dos custos administrativos e tributários a que estão sujeitas as instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural nas suas operações ativas, e os encargos cobrados do tomador final do crédito rural. (Redação da pela Lei n.º 13.986, de 2020)

§ 1.º Na hipótese de os encargos cobrados do tomador final do crédito rural excederem o custo de captação dos recursos acrescido dos custos administrativos e tributários, as instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural recolherão ao Tesouro Nacional o valor apurado, atualizado pelo índice que remunera a captação dos recursos. (Redação da pela Lei n.º 13.986, de 2020)

§ 2.º  A subvenção econômica a que se refere o caput deste artigo estende-se aos empréstimos concedidos, a partir de 1.º de julho de 1991, pelas instituições financeiras oficiais federais aos produtores rurais.    (Incluído pela Lei n.º 11.775, de 2008)

 

Redação anterior:

"Art. 4° A subvenção de equalização de taxas de juros ficará limitada ao diferencial de taxas entre o custo de captação de recursos, acrescido dos custos administrativos e tributários a que estão sujeitas as instituições financeiras oficiais, nas suas operações ativas, e os encargos cobrados do tomador final do crédito rural."

"Art. 4.º  A subvenção de equalização de taxas de juros ficará limitada ao diferencial de taxas entre o custo de captação de recursos, acrescido dos custos administrativos e tributários a que estão sujeitas as instituições financeiras oficiais e os bancos cooperativos, nas suas operações ativas, e os encargos cobrados do tomador final do crédito rural.   (Redação dada pela Lei nº 9.848, de 1999)."

"Art. 4.º  A subvenção, sob a forma de equalização de taxas de juros, ficará limitada ao diferencial de taxas entre o custo de captação de recursos, acrescido dos custos administrativos e tributários a que estão sujeitas as instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural nas suas operações ativas, e os encargos cobrados do tomador final do crédito rural.  (Redação dada pela Medida Provisória n.º 897, de 2019)"

"Parágrafo único. A subvenção econômica a que se refere este artigo estende-se aos empréstimos concedidos, a partir de 1° de julho de 1991, pelas instituições financeiras oficiais federais aos produtores rurais."

"§ 1.º  No caso em que os encargos cobrados do tomador final do crédito rural excederem o custo de captação dos recursos acrescido dos custos administrativos e tributários, as instituições financeiras oficiais federais e os bancos cooperativos deverão recolher ao Tesouro Nacional o valor apurado, atualizado pelo índice que remunera a captação dos recursos.    (Incluído pela Lei nº 11.775, de 2008)"

"§ 1.º  Na hipótese de os encargos cobrados do tomador final do crédito rural excederem o custo de captação dos recursos acrescido dos custos administrativos e tributários, as instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural recolherão ao Tesouro Nacional o valor apurado, atualizado pelo índice que remunera a captação dos recursos.    (Redação dada pela Medida Provisória n.º 897, de 2019)"

 

A̶r̶t̶.̶ ̶4̶.̶º̶-̶A̶ ̶ ̶A̶s̶ ̶c̶o̶n̶f̶e̶d̶e̶r̶a̶ç̶õ̶e̶s̶ ̶d̶e̶ ̶c̶o̶o̶p̶e̶r̶a̶t̶i̶v̶a̶s̶ ̶d̶e̶ ̶c̶r̶é̶d̶i̶t̶o̶ ̶c̶o̶n̶s̶t̶i̶t̶u̶í̶d̶a̶s̶ ̶n̶a̶ ̶f̶o̶r̶m̶a̶ ̶d̶e̶f̶i̶n̶i̶d̶a̶ ̶n̶o̶ ̶a̶r̶t̶.̶ ̶1̶5̶ ̶d̶a̶ ̶L̶e̶i̶ ̶C̶o̶m̶p̶l̶e̶m̶e̶n̶t̶a̶r̶ ̶n̶o̶ ̶1̶3̶0̶,̶ ̶d̶e̶ ̶1̶7̶ ̶d̶e̶ ̶a̶b̶r̶i̶l̶ ̶d̶e̶ ̶2̶0̶0̶9̶,̶ ̶d̶e̶s̶d̶e̶ ̶q̶u̶e̶ ̶a̶u̶t̶o̶r̶i̶z̶a̶d̶a̶s̶ ̶a̶ ̶f̶u̶n̶c̶i̶o̶n̶a̶r̶ ̶p̶e̶l̶o̶ ̶B̶a̶n̶c̶o̶ ̶C̶e̶n̶t̶r̶a̶l̶ ̶d̶o̶ ̶B̶r̶a̶s̶i̶l̶,̶ ̶s̶ã̶o̶ ̶e̶q̶u̶i̶p̶a̶r̶a̶d̶a̶s̶ ̶a̶o̶s̶ ̶b̶a̶n̶c̶o̶s̶ ̶c̶o̶o̶p̶e̶r̶a̶t̶i̶v̶o̶s̶ ̶p̶a̶r̶a̶ ̶o̶s̶ ̶e̶f̶e̶i̶t̶o̶s̶ ̶d̶e̶ ̶q̶u̶e̶ ̶t̶r̶a̶t̶a̶m̶ ̶o̶s̶ ̶a̶r̶t̶s̶.̶ ̶1̶.º ̶e̶ ̶4̶.º ̶d̶e̶s̶t̶a̶ ̶L̶e̶i̶.̶ ̶ ̶ ̶(̶I̶n̶c̶l̶u̶í̶d̶o̶ ̶p̶e̶l̶a̶ ̶L̶e̶i̶ ̶n̶º̶ ̶1̶3̶.̶6̶0̶6̶,̶ ̶d̶e̶ ̶2̶0̶1̶8̶)̶ ̶     (Revogado pela Medida Provisória n.º 897, de 2019).

Art. 5.º  A concessão da subvenção de equalização de juros obedecerá aos critérios, limites e normas operacionais estabelecidos pelo Ministério da Fazenda, especialmente no que diz respeito a custos de captação e de aplicação dos recursos, podendo a equalização, se cabível na dotação orçamentária reservada à finalidade, ser realizada de uma só vez, a valor presente do montante devido ao longo das respectivas operações de crédito.    (Redação dada pela Lei n.º 10.648, de 3.4.2003)

 

Redação anterior:

"Art. 5° A concessão da subvenção de equalização de juros obedecerá aos limites e normas operacionais estabelecidos pelo Ministério da Economia, Fazenda e Planejamento, especialmente no que diz respeito a custos de captação e de aplicação dos recursos."

Art. 5.º-A Fica o Poder Executivo federal autorizado a conceder subvenções econômicas na forma de rebates, bônus de adimplência, garantia de preços de produtos agropecuários e outros benefícios a agricultores familiares, suas associações e suas cooperativas nas operações de crédito rural contratadas, ou que vierem a ser contratadas, com as instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). (Redação da pela Lei n.º 13.986, de 2020)

​​Redação anterior:

"Art. 5.º-A.  Fica o Poder Executivo autorizado a conceder subvenções econômicas na forma de rebates, bônus de adimplência, garantia de preços de produtos agropecuários e outros benefícios a agricultores familiares, suas associações e cooperativas nas operações de crédito rural contratadas, ou que vierem a ser contratadas, com as instituições financeiras integrantes do Sistema Nacional de Crédito Rural no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - PRONAF.     (Incluído pela Lei nº 12.058, de 2009)"

"Art. 5.º-A  Fica o Poder Executivo federal autorizado a conceder subvenções econômicas na forma de rebates, bônus de adimplência, garantia de preços de produtos agropecuários e outros benefícios a agricultores familiares, suas associações e suas cooperativas nas operações de crédito rural contratadas, ou que vierem a ser contratadas, com as instituições financeiras autorizadas a operar crédito rural no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – Pronaf.   (Redação dada pela Medida Provisória n.º 897, de 2019)."

Art. 6.º A aplicação irregular das subvenções de que trata esta Lei sujeitará o infrator à devolução da subvenção econômica concedida, atualizada monetariamente pela taxa média referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) ou por outro índice que venha a substituí-la.     (Redação dada pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 1.º Para fins do caput deste artigo, considera-se aplicação irregular:     (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

I - a contratação, por instituição financeira, de operação de crédito rural subvencionada em finalidade diversa da prevista nesta Lei e no seu regulamento;      (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

II - a aplicação, pelo mutuário, dos recursos do crédito rural subvencionado em finalidade diversa da prevista nesta Lei, na regulamentação aplicável ou no respectivo contrato;      (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

III - o acesso indevido, pelo mutuário, ao crédito rural subvencionado; ou    (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

IV - a aplicação dos recursos provenientes de subvenção de preços em desacordo com o disposto no art. 2.º desta Lei.  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 2.º A responsabilidade pela devolução da subvenção econômica, na forma de que trata o caput deste artigo, será:    (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

I - da instituição financeira, na hipótese do inciso I do § 1.º deste artigo, sem prejuízo das penalidades previstas na Lei n.º 13.506, de 13 de novembro de 2017;   (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

II - do mutuário, nas hipóteses dos incisos II e III do § 1.º deste artigo, sem prejuízo das penalidades previstas nos arts. 19 e 20 da Lei n.º 7.492, de 16 de junho de 1986; e    (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

III - do beneficiário de subvenção de equalização de preços, na hipótese do inciso IV do § 1.º deste artigo, sem prejuízo das penalidades previstas em lei.  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 3.º Na hipótese do inciso I do § 1.º deste artigo, a instituição financeira recolherá à União, no prazo de até 05 (cinco) dias, contado da comunicação pelo Banco Central do Brasil, o valor da subvenção concedida, atualizado monetariamente na forma prevista no caput deste artigo, desde a data da concessão da subvenção ao mutuário até a data da efetiva devolução à União.  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 4.º Nas hipóteses dos incisos II e III do § 1.º deste artigo, caberá à instituição financeira que concedeu o financiamento: (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

I - cobrar do mutuário, judicial ou extrajudicialmente, a devolução da subvenção econômica recebida, atualizada monetariamente na forma prevista no caput deste artigo, desde a data da concessão da subvenção ao mutuário;  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

II - repassar à União, no prazo de até 05 (cinco) dias, contado do efetivo recebimento pela instituição financeira, o valor recuperado do mutuário.    (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 5.º Na hipótese do inciso II do § 4.º deste artigo, o valor recuperado será atualizado monetariamente na forma prevista no caput deste artigo, desde a data da concessão da subvenção ao mutuário até a data da efetiva devolução à União.    (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 6.º Os custos pela cobrança de que trata o inciso I do § 4.º deste artigo serão imputados ao mutuário e devidos à instituição financeira.      (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

§ 7.º A instituição financeira poderá inscrever o nome do mutuário infrator em cadastros de proteção ao crédito, na hipótese de descumprimento de prazos extrajudicial ou judicial para devolução da subvenção aplicada irregularmente. (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020).

Redação anterior:

"Art. 6.° A aplicação irregular ou desvio dos recursos provenientes das subvenções de que se trata esta lei sujeitará o infrator à devolução, em dobro, da subvenção recebida, atualizada monetariamente, sem prejuízo das penalidades previstas no art. 44 da Lei n° 4.595, de 31 de dezembro de 1964."

Art. 7.º O Banco Central do Brasil acompanhará e fiscalizará, nos termos do regulamento a ser editado pelo Conselho Monetário Nacional, os atos das instituições financeiras praticados com vistas a conceder a subvenção de que trata o inciso II do caput do art. 1.º desta Lei.  (Redação da pela Lei n.º 13.986, de 2020)

§ 1.º Quando, no exercício de suas atribuições, entidades e órgãos da Administração Pública federal verificarem a ocorrência de qualquer das hipóteses previstas nos incisos II e III do § 1.º do art. 6.º desta Lei, comunicarão a irregularidade ao Banco Central do Brasil.   (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020)

§ 2.º Na hipótese do § 1.º deste artigo, o Banco Central do Brasil informará a ocorrência à instituição financeira que concedeu o financiamento, para cumprimento do disposto no § 4.º do art. 6.º desta Lei.   (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020)

Redação anterior:

"Art. 7.° Cabe ao Banco Central do Brasil acompanhar e fiscalizar as operações de crédito rural beneficiárias das subvenções concedidas por esta lei."

Art. 7.º-A. A instituição financeira fiscalizará, nos termos de regulamento a ser expedido pelo Conselho Monetário Nacional, a aplicação pelo mutuário, na finalidade prevista nesta Lei, dos recursos do crédito rural subvencionado.  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020)

Parágrafo único. A fiscalização de que trata o caput deste artigo poderá ser terceirizada pela instituição financeira nos termos de regulamento a ser editado pelo Conselho Monetário Nacional.   (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020)

Art. 7.º-B. A concessão de crédito rural envolvendo recursos subvencionados sob a forma de equalização de taxas está condicionada à assinatura pelo tomador de crédito, admitida a forma eletrônica, de termo de consentimento para o compartilhamento das informações com os órgãos gestores dos programas de crédito e com a Controladoria-Geral da União e o Tribunal de Contas da União.  (Incluído pela Lei n.º 13.986, de 2020)

Art. 8.° O Poder Executivo, no prazo de sessenta dias, contado da publicação desta lei, encaminhará ao Congresso Nacional o pedido de abertura de crédito especial necessário à cobertura, no exercício de 1992, das despesas decorrentes das subvenções .

 

Art. 9.° Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

 

Art. 10. Revogam-se as disposições em contrário.

 

Brasília, 27 de maio de 1992; 171.° da Independência e 104.° da República.

FERNANDO COLLOR
Marcílio Marques Moreira
Antônio Cabrera

Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 28.5.1992.